domingo, 4 de março de 2018

A vida depois do infarto

A vida depois do infarto. Paciente, geralmente, só faz mudanças reais na sua vida depois de um evento trágico. Vai pra faculdade, estuda - as vezes trabalha - sai para algumas festas; após formado, no primeiro emprego, trabalha sem parar por uns 10 anos - comprar casa, carro (gasta sem parar); chega o primeiro filho, mais uns 5 anos de empenho árduo na empresa para aumentar a renda da família, e assim vai... mais um filho, mais trabalho! Até que chega aos 40 anos com o currículo recheado.



História verídica de um paciente que 
atendi na emergência do hospital 
essa semana (nome fictício). 

Foto do trabalhador que usa um tapa-olho de burro 

Relato

José: Hoje não estou legal...um mal estar, meio sufocado, com uma coisa apertando meu peito, acho que é porque o mês está acabando e o dinheiro também...é, só pode ser.
Pedro: Mas o futebol hoje está de pé?
José: Claro...claro...já já melhoro
...
José: Cara esse relatório está me matando, ainda não melhorei. Tô meio enjoado, suando frio.
...
José: Passa a bola! Corre! 
Pedro: Gol!

José caiu com a mão no peito dentro do campo.

Pedro: Socorro! Alguém liga para ambulância!

Currículo do José

Atividade física: Não faz a 20 anos
Dieta: Faz por 1 mês e para 6 meses
Estresse: Vive com ele desdo primeiro emprego
Hobby: Churrasco e cerveja com família e amigos no final de semana
Vai no médico? Não - por conta do trabalho nunca tem tempo.

Quantas vezes na semana será que ele faz isso?

Só com essa história, o que vocês acham que o médico vai encontrar no exame clínico e laboratorial? Ninguém precisa fazer medicina para saber a resposta.

Exame físico do paciente: 
Peso: 20kg acima - com um percentual de gordura corporal de 30%
Circunferência abdominal: 40 cm acima do ideal! 

Ele coloca a culpa no trabalho - "tenho muito estresse no trabalho "

Exame laboratorial: Colesterol alto; triglicerídeos altos; pré-diabético; Pressão arterial acima do normal

Vamos fazer um resumo da história. Adulto jovem, formado com "tudo na mão", começa a trabalhar (ganhando um dinheiro que nunca teve). Ele tinha TUDO NA MÃO! Era só cuidar da saúde e continuar vivendo, mas resolveu que trabalho - em excesso - era sua prioridade. ACORDA, SAÚDE NÃO TEM VOLTA!
A maioria das pessoas tem uma grande dificuldade de entender esse conceito. Saúde não tem volta. Se você está a 10 anos com 15kg a mais, são 10 anos de desregulação hormonal, enzimas do metabolismos e sobrecarga dos órgãos. Ele acha que se emagrecer no futuro tudo vai ficar bem novamente - zerar o jogo😱. Precisa de um infarto para a criatura perceber que isso não é verdade?

A maioria dos colegas da blogosfera de finanças acreditam que o indivíduo tem responsabilidades sobre seu dinheiro - excluindo as pessoas muito pobres que não tenham o mínimo de acesso a informação -, se gasta mais do que tem, por burrice, a culpa é dele. Se não cuida da saúde também! Você precisa de saúde para aproveitar a aposentadoria e a reserva financeira (não?).
História triste desse paciente, precisou de um evento brusco para se tocar e "mudar de vida" - diz ele que vai mudar. E você, está cuidando de sua saúde? Ou prefere se aposentar aos 40 anos com uma saúde de 80?


E agora, José?
A festa acabou,
...
já não pode beber,

já não pode fumar,

cuspir já não pode,

o riso não veio,

não veio a utopia

e tudo acabou

...
Com a chave na mão

quer abrir a porta,

não existe porta;

...
Sozinho no escuro

você marcha, José!

José, para onde?


                            Carlos Drummond de Andrade

4 comentários:

  1. a realidade é essa.

    excelente post.

    abs!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o post. Retrata bem a minha realidade: 30 anos, 140 kilos mesmo sendo alto, 188cm, meu IMC é quase 40 de obeso mórbido.
    É olha que já vi o outro lado da moeda: até meus vinte e poucos anos fui gordo e fiz uma RA com natação perdendo 60 quilos, fiquei magro e saudável por 5 anos até 2013 quando comprei meu primeiro carro e engordei tudo de novo.
    Agora fica mais difícil pois quanto mais velho mais difícil é emagrecer, além de que quando engordei fui diagnosticado com diabetes 2.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Boqueta de Porco,
      A obesidade é uma doença complexa, mais tem controle! O principal fator no algoritmo do tratamento é o paciente. Com força de vontade e ajuda você consegue. Já tive a oportunidade de acompanhar diversos casos de sucesso, pesquise na internet.
      Sucesso em sua batalha!

      Um abraço

      Excluir